O Poder da Autoestima

O segredo para alcançar a felicidade em qualquer fase da vida é manter a autoestima no auge.

foto1

A meia idade é realmente uma fase complicada. A autoestima é colocada à prova no dia-a-dia de cada um. Muitas pessoas se sentem diminuídas, tristes e impotentes, ainda mais quando há o agravamento de doenças crônicas.
Uma das observações do médico especialista em psicoterapia e coordenador da Unidade de Reabilitação Neuropsicóloga – URN em São Paulo, Dr. Cláudio Guimarães dos Santos, é que não ficamos velhos de uma hora para outra. “Precisamos de uma vida, para que isso aconteça. E a construção do nosso envelhecimento é o primeiro aspecto preventivo que devemos levar em consideração. Quem envelhece mal, corre o risco de ser um idoso infeliz e cheio de doenças. Não devemos negar a velhice. Este é um dos piores comportamentos”, revela o especialista.
Querer se transformar no que não é, entrar na onda da banalização e do culto ao corpo, esquecendo completamente do espírito, é o primeiro passo que o levará a uma possível depressão. É preciso manter sempre vivo o interesse pelas coisas de modo geral, pela vontade de aprender e, principalmente, pela constante autorreflexão.
A autoestima é importante para qualquer pessoa, independentemente da idade. Ela quer dizer “a capacidade que o indivíduo tem de ter uma avaliação positiva de si mesmo em diversos aspectos da vida”.
A chave para mantê-la em alta é se perguntar constantemente: como anda o meu trabalho, meus filhos, minha vida social? Como me avalio hoje?
Nenhum julgamento é tão importante quanto o que o “EU” faz de si mesmo.
Durante este questionamento você encontrará diversas barreiras. Aproveite este momento para refletir e, se for o caso, mudar o seu comportamento. Que tal transformar essas barreiras em desafios? Isso mesmo! Não é só porque chegamos nessa fase da vida que não temos mais a capacidade de enfrentá-los, muito pelo contrário. Neste momento, a sua grande parceira é a sabedoria. Ela possui valor inestimável.

Cada fase da vida carrega problemas e desafios

foto2

Volte no tempo, lembre-se de quando era adolescente. Essa fase era repleta de problemas e dúvidas a resolver, planejamentos, decisões sobre o futuro, trabalho, faculdade, o primeiro namorado…  Pense bem. Se tivesse a sabedoria de hoje, conseguiria mudar muita coisa nessa época. Vamos agora voltar aos dias de hoje. Podemos dizer que entramos numa segunda fase de planejamento. Enxergar as barreiras como novos desafios a serem enfrentados, alguns a mais, outros a menos. Mas o que importa é que precisamos reestruturar nossas vidas. Agora, com o tempo mais livre, mais experiente, você poderá decidir o que fazer com o seu tempo. Trabalhar nos projetos que ficaram guardados, há tempos, no fundo da gaveta ou até cursar uma faculdade. Invista o seu tempo e dinheiro para manter o espírito jovem. Consequentemente, o seu corpo acompanhará.

 

Dicas para manter sua autoestima em forma

Siga o passo-a-passo do Dr. Cláudio Guimarães e mantenha a sua autoestima nas alturas.

Passo 1 – Se você não consegue resgatar, sozinho, a autoestima, procure ajuda. Um psicoterapeuta pode ser importante para ajudar a construir uma maturidade saudável e uma velhice adequada.

Passo 2 – Busque sempre novos interesses, crie focos interessantes, não necessariamente novos, mas permanentes.

Passo 3 – Se era uma pessoa que se interessava por economia, política, esporte, continue a busca. Não perca esta ligação importante com o mundo.

Passo 4 – Procure se interessar pelas pessoas, para que elas também se interessem por você. Mas de maneira autêntica, sem cobranças. Por exemplo: ao invés de falar “Eu tenho aqui uma receita que você não conhece”, fale simplesmente “Eu possuo conhecimentos do tempo que eu trabalhava como engenheiro, talvez te ajude”.

Passo 5 – Mantenha vínculos. Para isso, vale o Clube Vida Moderna, os antigos amigos. Tente adquirir novas amizades. Mantenha-se em vida.

Passo 6 – Acrescente suas experiências de vida no convívio familiar. Compartilhe isso com seus descendentes. Um idoso ranzinza, que não fala com ninguém, atrai para si mesmo o isolamento. Não se coloque como vítima. Seja ativo e positivo e verá que sua família ficará muito mais receptiva.

Passo 7 – Assim como é preciso aprender a viver, é preciso aprender a morrer. Isso é fundamental e nós costumamos negar muito. Nós vamos morrer. Pode ser daqui a pouco como daqui a noventa anos. Precisamos nos preparar para essa morte, rever nossos valores, pensar na vida, ter visão integral da nossa história, não negá-la.
E para finalizar, quanto mais ativo, quanto mais ligado você for, melhor vai ser a sua inserção e menor a chance de ter baixa autoestima.

foto3

(Texto extraído da Internet)